Marozava e Mitu. Da parceria “por acidente” ao título no Oeiras Ladies Open

Sara Falcão/FPT

OEIRASLidziya Marozava e Andreea Mitu uniram esforços pela primeira vez em Praga, em agosto de 2020, por acidente, fizeram o “clique” e descobriram uma parceria de sucesso que este sábado, em Oeiras, conheceu um novo capítulo de ouro, com a bielorrussa e a romena a conquistarem o título de pares do Oeiras Ladies Open, ITF de 60.000 dólares que a Federação Portuguesa de Ténis organiza no Complexo Desportivo do Jamor.

A competir pela primeira vez em Portugal, Marozava e Mitu começaram o dia a derrotar Natela Dzalamidze e Valentini Grammatikopoulou, por 7-5 e 6-3, numa meia-final “em atraso” devido ao mau tempo nos primeiros dias da semana, e terminaram a derrotar Marina Melnikova e Conny Perrin na grande final, com uma reviravolta: 3-6, 6-4 e 10-3 foram os parciais “cantados” após 1h31 de encontro.

Bem dispostas e orgulhosas com o trabalho realizado nos últimos três dias, as duas experientes duplistas (Marozava ergueu o 22.º título da carreira na variante, Mitu o 25.º) revelaram-se entusiasmadas com a ligação criada em Praga, há oito meses: “É bom ter a mesma parceira durante algumas semanas, ainda melhor durante alguns meses, e estou contente por termos decidido jogar pela primeira vez lado a lado por acidente, em Praga no último ano. Estou feliz por termos feito isto e descoberto que somos boas jogadoras juntas, por isso temos de aproveitar e continuar. Este torneio é mais uma prova de que mesmo não estando no nosso melhor nível conseguimos superar-nos. Temos uma boa energia e motivamo-nos uma à outra”, explicou a bielorrussa na conferência de imprensa após a conquista do título.

Mitu, que para além do sucesso nos pares também se destacou em singulares (chegou a ser número 68 mundial em junho de 2015), concordou: “A este nível não há muitas diferenças, por isso apesar de sermos as primeiras cabeças de série tivemos sempre encontros complicados e mesmo não tendo jogado ao nosso nível conseguimos vencer e ganhar alguma confiança. Viemos aqui para ganhar jogos e vamos para Istambul com quatro jogos ganhos e mais confiança, por isso foi uma excelente semana.”

Nos últimos anos, a romena, de 29 anos e já mãe, tem tido mais alegrias nos pares, mas ainda pensa num regresso aos singulares: “Ainda estou a tentar voltar, mas por causa da pandemia não foi nem é fácil. Depois de Istambul há um torneio prize-money em Bucareste e vou jogar singulares. Depois quero tentar combinar [as duas variantes], mas não é fácil porque com o meu ranking de pares posso jogar grandes torneios, enquanto nos singulares tenho de jogar torneios mais pequenos. Vou ter de organizar muito, muito bem as coisas, mas ainda quero regressar.”


Total
2
Shares
Total
2
Share