Raquetc

O Raquetc (“raquetcetera”) é um jornal digital especializado em ténis, com um olhar atento a outros desportos de raquetes como o padel, o squash e o ténis de mesa.


Fundado por Gaspar Ribeiro Lança a 10 de junho de 2010, o Ténis Portugal evoluiu para Raquetc no dia 8 de maio de 2017. Esta segunda versão, renovada, mais completa e pensada, alimenta-se de informação diária que se estende a notícias, mas também à procura permanente de entrevistas, reportagens, artigos de opinião/crónicas e uma procura incessante por novos formatos e conteúdos.

Desde a data de fundação, o Raquetc fez uma aposta singular na cobertura do ténis português. E para isto foram fundamentiais algumas coberturas no terreno: o Estoril Open de 2012, primeiro torneio que acompanhámos numa sala de imprensa; a edição de 2014 do Campeonato Nacional Absoluto, no CIF, que; e as semanas como media partner do Lisboa Womens Open, no Lisboa Racket Centre, e do Open de São Domingos, no São João Ténis Clube, em junho de 2016 e junho de 2017, respetivamente.

Estas semanas foram alicerces daquela que se reforçou como a grande aposta do projeto e lançaram o Raquetc para a presença regular como media partner de torneios nacionais e internacionais organizados de Norte a Sul do país, a partir dos quais noticiámos e transmitimos em direto centenas de encontros dos mais variados níveis e escalões.

Estas presenças enfatizaram a vontade de variar e inovar nos formatos de publicação e em 2015 juntámos ao texto o áudio e ganhámos uma voz: através de uma parceria com a Escola Superior de Comunicação Social (ESCS) criámos o “Ténis Portugal na Rádio” e reunimos em estúdio várias figuras do ténis português, desde jornalistas a jogadores, treinadores e dirigentes. O resultado foi o primeiro podcast em português sobre ténis.

A inovação é, aliás, uma preocupação constante e no ano anterior publicámos 25 entradas do “Diário de Frederico Marques“, uma coletânea de textos escritos em exclusivo pelo treinador de João Sousa para o Ténis Portugal ao longo de uma época em que o tenista português jogou duas finais ATP (em Bastad e em Metz).

Mas o que se passa “lá fora” continuou e continuará a merecer o nosso olhar atento, como comprovam algumas das viagens que fizemos desde então: primeiro até Madrid (Espanha), para o Mutua Madrid Open de 2015, a que voltámos em 2017; depois até Lille (França) para cobrir in loco a última final da Taça Davis no seu formato tradicional com notícias, reportagens, crónicas e opinião; um ano depois novamente até à capital espanhola, com as novas Davis Cup Finals como destino e com elas explicações, notícias pela madrugada dentro e mais opinião; e ainda a Paris: a edição de 2019 de Roland-Garros foi entusiasmante e dividimos o nosso trabalho entre uma série de artigos de fundo, o relato de um dos regressos mais aguardados da história recente e a sempre prioritária cobertura do ténis nacional.