Laaksonen, Dellien, Travaglia e Griekspoor juntam-se a Popko nos campeões da semana no circuito Challenger

Em Lisboa, o cazaque Dmitry Popko foi o último a sorrir e ergueu o primeiro troféu no circuito Challenger, mas não foi o único a festejar. Pela Europa e pela América do Sul jogaram-se este domingo mais quatro finais no circuito, três em terra batida e uma em piso rápido indoor.

ORLEÃES (FRANÇA):

No Challenger 125 de Orleães, em França, o suíço Henri Laaksonen (118.º ATP) saiu com o troféu na bagagem. No piso rápido francês, o helvético disputou a final com o austríaco Dennis Novak (121.º ATP) e foi feliz ao fim de uma hora e 24 minutos, já que triunfou por 6-1, 2-6 e 6-2.

O caminho de Henri Laaksonen até ao título:

  • R1: 6-3 e 6-1 vs. Zizou Bergs (186.º ATP)
  • R2: 7-6[6] e 6-4 vs. Benjamin Bonzi (64.º ATP)
  • QF: 6-3 e 6-4 vs. Holger Rune (124.º ATP)
  • SF: 6-3 e 6-3 vs. Jiri Vesely (86.º ATP)
  • F: 6-1, 2-6 e 6-2 vs. Dennis Novak (121.º ATP)

Num torneio recheado de grandes estrelas, o suíço teve uma prova praticamente perfeita e só na final deixou cair o primeiro set da semana. Antes disso, Laaksonen já tinha derrotado, por exemplo, o francês Benjamin Bonzi, que procurava em Orleães chegar ao recorde de sete títulos no circuito numa só época.

O tenista de 29 anos, que nasceu na Finlândia, tem agora seis títulos no circuito Challenger em oito finais disputadas. Laaksonen já tinha atingido uma final este ano, em Braunschweig, mas não foi feliz nessa altura. Agora, em Orleães, o helvético conquistou o primeiro título desde 2019 e vai regressar ao top 100 mundial esta segunda-feira.

As finais disputadas por Henri Laaksonen no circuito Challenger:

[table id=111 /]

 

LIMA (PERÚ):

Do piso rápido europeu passamos para a terra batida sul-americana e para a cidade peruana de Lima, onde Hugo Dellien (140.º ATP) regressou aos títulos ao fim de quase dois anos e conquistou a sexta coroa no circuito Challenger. O tenista da Bolívia superou o argentino Camilo Ugo Carabelli (245.º ATP) por 6-3 e 7-5, em uma hora e 45 minutos.

O caminho de Hugo Dellien até ao título:

  • R1: 6-3 e 6-2 vs. Nick Hardt (356.º ATP)
  • R2: 6-4 e 6-4 vs. Facundo Mena (248.º ATP)
  • QF: 7-5 e 6-2 vs. Nicolás Kicker (286.º ATP)
  • SF: 6-7[5], 6-4 e 6-2 vs. Johan Nikles (380.º ATP)
  • F: 6-3 e 7-5 vs. Camilo Ugo Carabelli (245.º ATP)

Quinto cabeça de série em Lima, Dellien sofreu o primeiro break do encontro logo no jogo inaugural, mas em momento algum ficou abalado e respondeu com cinco jogos consecutivos que rapidamente deixaram o parcial a pender para o seu lado. A segunda partida foi mais equilibrada, mas o melhor cotado conseguiu o break na altura certa e fechou o encontro em dois sets.

De regresso aos títulos no circuito secundário, o antigo número 72 mundial vai ficar um pouco mais perto de regressar ao top 100 mundial. A vitória em Lima vale a subida de 12 lugares a Dellien, que vai assumir o 128.º posto no ranking ATP esta segunda-feira.

As finais disputadas por Hugo Dellien no circuito Challenger:

[table id=112 /]

 

SIBIU (ROMÉNIA):

Continuamos na terra batida, mas regressamos ao continente europeu e fazemos escala na Roménia. A cidade de Sibiu foi uma das que recebeu um evento Challenger esta semana e o italiano Stefano Travaglia (97.º ATP) confirmou o estatuto de primeiro cabeça de série e colocou o troféu na bagagem.

O caminho de Stefano Travaglia até ao título:

  • R1: 6-3 e 6-3 vs. Lukas Rosol (259.º ATP)
  • R2: 6-3 e 6-2 vs. Yan Bondarevskiy (566.º ATP)
  • QF: 6-0, 5-7 e 7-6[6] vs. Zdenek Kolar (148.º ATP)
  • SF: 6-4, 0-6 e 6-0 vs. Sumit Nagal (212.º ATP)
  • F: 7-6[4] e 6-2 vs. Thanasi Kokkinakis (194.º ATP)

A disputar a sétima final no circuito secundário, o tenista de 29 anos impôs-se perante o australiano Thanasi Kokkinakis (194.º ATP) na final da prova, com os parciais de 7-6[4] e 6-2. Depois de um primeiro parcial onde teve de eliminar cinco break points antes de sair por cima no tiebreak, Travaglia conseguiu ter um maior controlo do segundo set e logrou duas quebras de serviço que resolveram a questão.

O tenista transalpino, que nos quartos de final eliminou dois match points para superar Zdenek Kolar, é agora o detentor de cinco títulos no circuito Challenger, no qual já não vencia desde 2019. A campanha vitoriosa de Travaglia vai valer ao ex-número 60 mundial a subida de oito posições no ranking ATP, pelo que passará a ocupar o 89.º lugar esta segunda-feira.

As finais disputadas por Stefano Travaglia no circuito Challenger:

[table id=113 /]

 

MÚRCIA (ESPANHA):

A última paragem desta semana no circuito Challenger é em Espanha, mais concretamente na cidade de Múrcia. Numa final que tinha um tenista “da casa” presente, acabou por ser o forasteiro Tallon Griekspoor (131.º ATP) a sorrir.

O caminho de Tallon Griekspoor até ao título:

  • R1: 6-3 e 6-1 vs. Nikolas Sánchez Izquierdo (313.º ATP)
  • R2: 7-6[3] e 6-3 vs. Alexander Ritschard (306.º ATP)
  • QF: 6-0, 0-6 e 6-3 vs. Miljan Zekic (321.º ATP)
  • SF: 7-6[4] e 6-1 vs. Flavio Cobolli (257.º ATP)
  • F: 3-6, 7-5 e 6-3 vs. Roberto Carballes Baena (88.º ATP)

Na final deste domingo, o segundo cabeça de série cruzou-se com o principal favorito ao título, Roberto Carballes Baena (88.º ATP). O espanhol arrancou melhor e venceu a primeira partida, mas o neerlandês arrancou “a ferros” a vitória no segundo parcial e ainda recuperou de um break de atraso no terceiro set para erguer o quarto troféu da temporada no circuito Challenger.

Agora com seis títulos da categoria em oito finais disputadas, metade delas em 2021, Tallon Griekspoor volta a aproximar-se da estreia no top 100 mundial. O tenista de 25 anos, que já foi 105.º, vai subir 13 lugares e atingir o 118.º lugar do ranking ATP esta segunda-feira.

As finais disputadas por Tallon Griekspoor no circuito Challenger:

[table id=114 /]

Total
16
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.


Total
16
Share