Schwartzman bate Tsitsipas e mantém Argentina na rota das meias-finais

A Argentina continua na luta por um lugar nas meias-finais da ATP Cup 2022. Esta segunda-feira, os sul-americanos derrotaram a Grécia, numa eliminatória que ficou resolvida logo no segundo encontro de singulares. Depois de Federico Delbonis ter somado o primeiro ponto para os argentinos, Diego Schwartzman bateu Stefanos Tsitsipas por 6-7[5], 6-3 e 6-3, em duas horas e 44 minutos, para selar o triunfo.

Num encontro disputado a alto ritmo e com muitos pontos merecedores de destaque, foi Tsitsipas a sair na frente do resultado. O helénico, que tem estado a contas com problemas num cotovelo, estava obrigado a vencer para manter a seleção grega na discussão da eliminatória.

Tudo parecia muito bem encaminhado para o número quatro mundial, que depois de vencer o primeiro set, chegou ao break logo no jogo inaugural da segunda partida. A liderar por 7-6[5] e 1-0, Tsitsipas parecia confortável em court, mas Schwartzman nunca atirou a toalha ao chão. ‘El Peque’ fez o contra-break para deixar tudo igual na segunda partida e chegou a uma segunda quebra de serviço mais tarde, que lhe permitiu servir a 5-3 para empurrar o embate para o terceiro set.

Os papéis inverteram-se e foi Schwartzman a conseguir o break no primeiro jogo da terceira partida. Claramente por cima do encontro nesta fase, o argentino não deu espaço para que Tsitsipas pudesse sequer tentar a recuperação e ainda selou o encontro com mais um break.

A vitória de Diego Schwartzman — a terceira da carreira sobre tenistas do top 5 — confirmou o triunfo da Argentina, já que Federico Delbonis tinha derrotado Michail Pervolarakis por 7-6[5] e 6-1. Ainda assim, também o encontro de pares caiu para o lado argentino: Maximo González e Andrés Molteni bateram Markos Kalovelonis e Petros Tsitsipas por 6-3, 4-6 e 11-9.

A Argentina vai agora discutir o apuramento para as meias-finais com a Polónia, na última jornada do Grupo D. Os polacos bateram a Geórgia por 3-0, com vitórias de Kamil Majchrzak (6-1 e 6-1 a Aleksandre Bakshi) e Hubert Hurkacz (6-7[5], 6-3 e 6-1 a Aleksandre Metreveli) nos singulares. Nos pares, Szymon Walkow e Jan Zielinski derrotaram Bakshi e Zura Tkemaladze por 6-7[2], 6-2 e 10-6.

Espanha na ‘pole position’ no Grupo A; Chile vence pela primeira vez

A madrugada desta segunda-feira foi também de ação para o Grupo A, onde a Espanha manteve a invencibilidade com um triunfo por 3-0 sobre a Noruega. Para além disso, o Chile conquistou a primeira vitória de sempre na ATP Cup e partilha agora o segundo lugar com a Sérvia.

Convocado para o primeiro encontro de singulares da jornada, Pablo Carreño Busta fez o que lhe competia e confirmou o favoritismo sobre Viktor Durasovic com uma vitória por 6-3 e 6-3. O encontro entre Roberto Bautista Agut e Casper Ruud era o prato principal e tinha importância reforçada para os noruegueses, obrigados a vencer para adiar a decisão para os pares.

No entanto, Bautista Agut rubricou uma bela vitória por 6-4 e 7-6[4], garantiu a vitória espanhola e chegou aos nove triunfos em 11 encontros na ATP Cup em toda a carreira. Já com a vitória no bolso, a Espanha foi ainda resgatar o triunfo nos pares, com Alejandro Davidovich Fokina e Pedro Martínez a derrotarem Andreja Petrovic e Lukas Hellum-Lilleengen por 6-4 e 6-1.

Depois do desaire frente à Espanha na primeira jornada, o Chile conseguiu a primeira vitória de sempre na ATP Cup diante da Sérvia. Os sul-americanos saíram em desvantagem na eliminatória, mas operaram a reviravolta e confirmaram nos pares um triunfo inédito.

Depois de Filip Krajinovic ter derrotado Alejandro Tabilo por 6-4, 3-6 e 7-6[5], a pressão caiu toda nos ombros de Cristian Garin, que estava obrigado a vencer Dusan Lajovic. O primeiro set caiu para o lado do sérvio, mas Garin respondeu e empatou o encontro. Na terceira partida, o chileno começou muito bem e viu depois Lajovic ser obrigado a retirar-se, na sequência de fortes cãibras. O marcador indicava 4-6, 6-4 e 3-0 a favor de Garin, que empatou a eliminatória e adiou tudo para os pares.

No encontro decisivo, Alejandro Tabilo fez parelha com Marcelo Tomás Barrios Vera para defrontarem Nikola Cacic e Matej Sabanov. Num embate resolvido num dramático match tiebreak, os chilenos foram os últimos a sorrir, com um triunfo por 6-4, 3-6 e 10-7 que lhe permite partilhar o segundo lugar do Grupo A com os sérvios.


Total
2
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.


Total
2
Share