Emma in Paris: Raducanu apresenta-se a Roland-Garros com prova de resistência

Tudo o que Emma Raducanu faz no primeiro semestre de 2022 é sinónimo de uma nova estreia para a tenista britânica e Roland-Garros não só não foi exceção, como significou um virar de página para a britânica, que depois de vários problemas físicos chegou a Paris recuperada e deu provas de resistência, mas também de resiliência, a caminho da segunda ronda. Aos 19 anos já venceu em todos os torneios do Grand Slam.

Por Gaspar Ribeiro Lança, em Paris

Quatro anos depois de ter competido pela primeira e última vez na terra batida francesa, ainda como júnior, a número 12 mundial estreou-se no Stade Roland-Garros como tenista profissional com um triunfo por 6-7(4), 7-5 e 6-1 sobre Linda Noskova, checa de 17 anos que em 2021 se sagrou campeã de Roland-Garros em sub 18 e que este ano chegou ao quadro principal depois de passar o qualifying.

A vitória foi assinada no Court Simonne-Mathieu, o terceiro maior palco do complexo e que à medida que o encontro evoluiu se encheu de adeptos que em poucos minutos se renderam ao poder de fogo das duas jovens e às trocas de bolas cheias de variação.

Num duelo marcado por várias oscilações no marcador (Raducanu até foi a primeira a quebrar e pareceu encaminhada para a vitória no primeiro set, mas a chuva apareceu, quebrou-lhe o ritmo e deu a Noskova a janela de oportunidade ideal para reentrar na luta pela partida), a qualidade de jogo nunca baixou. Em estreia absoluta em quadros principais de torneios do Grand Slam, Noskova foi quem mais winners disparou (48 contra 24) e impressionou pelas pancadas limpas e agressivas com que destabilizou Raducanu. Mas a experiência da britânica, ainda pouca mas superior à da checa, veio ao de cima no decorrer do segundo parcial, em que combinou a paciência com a assertividade e recuperou de um break de atraso já na reta final para começar a mudar a história do encontro.

Livre das bolhas na mão que a perturbaram no Australian Open e da lesão nas costas que a afetou já na época da terra batida, a campeã do último US Open expôs o seu jogo variado e apostou em várias subidas à rede para cortar o timing a Noskova e construir a sua vitória mais longa da temporada, sinónima de um primeiro triunfo na terra batida de Roland-Garros.

A defender o estatuto de 12.ª cabeça de série, Emma Raducanu vai medir forças na segunda ronda com Aliaksandra Sasnovich, bielorrussa de 28 anos que nunca passou desta fase em Paris.


Total
34
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.


Total
34
Share