Revigorado e com uma vida extra, Domingues está “fresco e pronto” para se “pôr à prova”

Sara Falcão/FPT

OEIRAS — Um título no momento certo deu a João Domingues a injeção de confiança de que precisava e esta terça-feira o tenista português teve mais razões para celebrar, ao carimbar o apuramento para a segunda ronda do Oeiras Open 3 depois de anular três match points. Livre de problemas físicos, feliz e motivado, tem os olhos postos no regresso aos palcos maiores e a ambição de se testar perante adversários de outro calibre.

“Agora estou bastante melhor, nem se compara. Hoje joguei quase três horas e já não estou limitado. Tenho de ter bastante cuidado com o pé, mas isso faz parte. O meu problema é no pé, o de outro atleta é outra coisa. Todos nós temos de ter cuidado com certas lesões. As últimas semanas foram boas, estou a subir de nível e o título que ganhei deu-me confiança, deu-me ar fresco”, revelou na conferência de imprensa que se seguiu à vitória num encontro em que esteve a perder por 5-2 no último set e no qual enfrentou três match points consecutivos ao 5-4, antes de dar a volta a Carlos Gimeno Valero.

“Acho que nunca tinha ganho um jogo assim. Para ser sincero, senti-o demasiado relaxado, por isso aproveitei para me aproximar no marcador e às vezes o ténis surpreende-nos. Quer pela positiva, quer pela negativa, mas desta vez tive a sorte do meu lado e consegui vencer o jogo”, acrescentou sobre o triunfo perante o espanhol, com os parciais de 7-6(4), 4-6 e 7-5, após 2h44.

A vitória desta terça-feira deu-se dois meses depois do último encontro em solo nacional, no anterior Oeiras Open 2, do qual João Domingues se tinha despedido com uma nota de confiança. Entretanto, regressou aos títulos no ATP Challenger Tour e não esconde que essa semana, em Salvador da Baía, foi determinante para a fase que atravessa. “Mentalmente deu-me uma tranquilidade brutal para enfrentar o resto do ano, porque precisamente nessa semana ia perder 60 pontos que fariam com que saísse do top 500. Optar por ir jogar à Amérida do Sul e falhar o Estoril Open pela primeira vez desde os meus 16 anos também me custou, sou sincero, mas acho que foi uma aposta ganha para a minha carreira.”

“Não sei bem como explicar, mas este torneio permitiu-me demonstrar a mim próprio que continuo a ter nível para jogar os Challengers e depois subir e chegar ao meu objetivo. Deu-me confiança em mim mesmo e foi bastante importante em termos mentais, foi um dos resultados mais importantes da minha carreira”, acrescentou o ex-top 150 mundial, que também falou da ambição que o move.

“O objetivo é jogar os torneios do Grand Slam. Tenho uma mentalidade que faz com que se tenho ranking para jogar um torneio superior, vou jogar o torneio superior, independentemente de estar mais forte ou mais fraco. Jogo ténis para participar no melhor torneio possível e gosto desses desafios, de jogar contra jogadores com melhor ranking do que eu e de me pôr à prova. Só tenho seis semanas [para pontuar], incluindo esta, até ao US Open, que é um objetivo que gostava de atingir, mas se não o atingir não há problema. Não quero colocar demasiada pressão em mim e se não jogar o US Open, o objetivo passa a ser o Australian Open. Este ano quero consolidar o meu nível e voltar a ter um bom ranking para no próximo ano garantir os quatro torneios do Grand Slam.”

A vitória desta terça-feira, que lhe deu uma vida extra no Oeiras Open 3, foi um passo importante. E o próximo pode ser dado já na quarta-feira, quando defrontar o belga Michael Geerts (262.º).


Total
14
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.


Total
14
Share